COMO SABER QUAL O TAMANHO QUE SUA REDE DE FRANQUIAS PODE TER

Sempre digo que quem quer ser (ou já é) um franqueador, precisa ter a vontade de ver sua marca crescer bastante. Ter uma rede de franquias com poucas unidades, até 10 unidades, normalmente não é viável. Os custos para manter a estrutura de suporte aos franqueados não é sustentado por uma rede pequena.

 

Se a intenção é ter poucas franquias na sua rede, deve reavaliar se franquia é a melhor estratégia.

Agora se o negócio é fazer sua marca crescer muito saiba como ser um franqueador em 8 passos.

 

O número “mágico” que utilizo como referência para os meus clientes é de 50 unidades. Este número é um divisor de águas. Podemos dizer que praticamente toda franquia (que tem um negócio sustentável, é claro!) e que atinge 50 unidades atingiu efetivamente o sucesso. Quando uma rede alcança este número já percorreu a curva de aprendizado para atuar como franqueadora e deve ter construído uma estrutura sólida e eficiente.

 

Sabemos que 50 é um número ótimo, mas qual o número mínimo necessário para uma rede se manter, e qual o número máximo que pode atingir?

Vamos lá:

 

O número mínimo:

 

Para calcular o número mínimo que uma rede deve ter, deve ser feito um plano de negócios da franqueadora. Este plano de negócios deve ser só da franqueadora, que é uma nova empresa, separada das unidades próprias, como se faz para qualquer nova empresa.

 

Considerando as receitas os valores de taxas de franquias e royalties, e lembrando de levantar os custos de suporte inicial para cada novo franqueado, o suporte contínuo para toda a rede e os custos para a expansão da rede (prospecção e seleção franqueados). Fazendo uma simulação financeira é possível calcular o payback (tempo de retorno do investimento), a rentabilidade e a lucratividade e o ponto de equilíbrio da franqueadora.

 

Encontrando o ponto de equilíbrio se encontra a quantidade mínima de unidades franqueadas necessárias para manter a rede operando sem prejuízo. Este é o número mínimo e varia dependendo do tipo de negócio, do segmento, da força da marca etc. Cada rede tem um número mínimo adequado para ela.

 

O número máximo:

 

Para saber o número máximo que uma rede possa ter, primeiro precisamos delimitar a sua abrangência. A expansão para o exterior é uma vontade de quase todo empresário, mas franquear lá fora é um grande desafio, sugiro só pensar nisso depois de estar muito bem estruturado e experiente. Assim vamos delimitar geograficamente a expansão ao território brasileiro.

 

Precisamos então definir quais as características do ponto onde pode ser instalada uma unidade: Qual o perfil da população da região, o fluxo de pessoas, os tipos e quantidades de outros estabelecimentos próximos (por exemplo devem ser em rua movimentada que tenha pelo menos um banco na mesma quadra e um faculdade a menos de 500 metros – só exemplos, cada negócio tem suas características). E então buscamos quantas regiões com as mesmas características existem no país.

 

Se definirmos que o negócio deve ser instalado em cidades acima de 300.000 habitantes, este seria o primeiro corte: fazemos uma lista com todas as cidades com este perfil.

E dentro destas cidades buscamos regiões com características conforme definimos como ideais para o negócio. É possível fazer isso “no braço” utilizando dados secundários das prefeituras, IBGE, Google Maps etc. O mais indicado, entretanto, é a utilização de software de geomarketing. Alguns que costumo indicar para os meus clientes são o Geofusion, o Economapas e o Deepen. A quantidade de locais identificados como ideias nas cidades que aparecem acima da nossa linha de corte indica o número de unidades máximas que a rede pode ter.

 

Claro que nem em todos estes locais será interessante a instalação de uma unidade (pode ser que já tenham muitos concorrentes, ou a logística seja muito complicada, entre outros fatores), mas como estamos procurando saber o nosso número máximo este tipo de análise atende muito bem esta necessidade. Depois é ir analisando cada região para um ajuste fino.

 

 

 

Compartilhe
Share on whatsapp
Share on email
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Últimas
Compartilhe
Share on whatsapp
Share on email
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Conecte-se