[ editar artigo]

Você serve para ser empreendedor?

Você serve para ser empreendedor?

Antes de mais nada, deixe-me me apresentar. Meu nome é Luis Roberto, sou Administrador de Carteiras autorizado pela CVM (em bom português, investidor profissional devidamente habilitado pela autoridade competente para exercer esse ofício), tenho uma passado e um presente empreeendedor de relativo sucesso, passando por um período de carreira executiva. Hoje atuo em uma consultoria de Software e Hardware e possuo uma pequena gestora de recursos em um nicho muito específico, o das Criptomoedas.

 

Quando o Erlon me convidou par escrever nesse blog o primeiro passo foi fazer a ligação entre as franquias e o mundo dos investimentos, o que é um link óbivio e fácil de fazer, afinal, se você está pensando em abrir um franquia esse passo provavelmente será um dos maiores investimentos de sua vida, tanto de recursos financeiros quanto de tempo que você vai fazer.

 

No mundo da administração profissional de investimentos, a primeira coisa que fazemos quando chega um novo cliente é conversar, conversar muito para entender esse cliente. Em geral, faço uma série de entrevistas buscando entender as duas principais variáveis que vão me orientar na hora de construir um portfólio de investimentos adequado para esse cliente:

 

A capacidade de correr riscos e a disposição em correr riscos.

 

A capacidade de correr riscos está associada a quanto patrimônio esse cliente já tem, a quanto ele é capaz de poupar e ao seu estilo de vida (o quanto ele gasta e no que ele gasta). Um sujeito que não acumulou patrimônio na vida e gasta praticamente tudo o que ganha não pode se dar ao luxo de correr riscos, ele não tem capacidade de correr riscos. O sujeito que ganha bem mas tem escola de filhos e financiamento do apartamento para pagar não pode arriscar a ficar sem dinheiro para essas despesas fundamentais e por aí vai.

 

Agora vem a disposição em correr riscos. Cada pessoa tem um estômago diferente para o risco. Tem quem se alimente da adrenalina do risco e tem aquele que busca segurança e se sente confortável com rotinas e pouca volatilidade. Cada um é um, não existe certo ou errado e a escala é linear.

 

Misturando a duas variáveis, conseguimos calibrar carteiras de investimentos que sejam adequadas para cada cenário. De nada adianta o sujeito estar totalmente disposto a correr riscos (colocar 100% do seu dinheiro em ações e Bitcoin por exemplo) se ele não tem capacidade. No outro extremo, não adianta um sujeito ser multi-milionário se ele vai vomitar e ficar sem dormir em um dia que a bolsa oscile 10% para baixo (Joesley day por exemplo).

 

Cada tipo de investimento (ações, renda fixa, previdência, ouro, imóveis, criptomoedas, obras de arte, etc) tem um perfil de risco associado. Você já deve ter preenchido aquele questionário de perfil do investidor do seu banco ou da sua corretora. Ele se chama Suitability e busca de forma simplificada e automatizada tentar descobrir exatamente essas duas variáveis (capacidade e disposição) aos riscos. Ele é obrigatório nos bancos e corretoras antes de você investir.

 

Um trabalho personalizado para o desenvolvimento de um portfólio de investimentos requer entrevistas longas e profundas, porém, o questionário online já dá uma boa ideia dos tipos de investimentos que provavelmente serão adequando a cada pessoa e é o filtro básico exigido por lei.

 

Minha pergunta é – se para alocar seu dinheiro no banco, numa corretora ou numa gestora você passa pelo crivo do Suitability, porque não faz isso antes de decidir empreender?

 

Foi então que me questionei o porque de não existir um Suitability para o empreendedor? Um empresa qualquer ou a franquia que você quer abrir nada mais é que uma classe de investimento. É fundamental que você saiba se esse investimento “empreendimento” é adequado a sua capaciade e para o seu perfil de risco.

 

Veja que por força do regulador (a CVM, Comissão de Valores Mobiliários) um banco é proibido de vender ações ou determinados fundos multimercados para clientes cujo o Suitability apontem que se trata de um investimento inadequando. Nem que o cliente queira investir em determinado fundo, se ele não for aderente ao seu perfil de investidor ele não estará disponível para ele.

 

Existem uma infinidade de investimentos que estão disponíveis apenas para investidores qualificados (profissionais ou que possuam no mínimo 1 milhão de reais investidos em ativos financeiros). Porque isso? Porque são produtos de alto risco que podem destruir as economias de quem não souber o que está fazendo.

 

Por outra lado, existe um culto ao empreendedorismo que esconde os riscos dessa modalidade de investimento. Qualquer um, literalmente qualquer um (hoje com MEI) pode abrir uma empresa e existe um estímulo danado a isso. Veja que não sou contra esse movimento, pelo contrário, sou um grande defensor e apoiador da atividade empreendedora, o que estou questionando é se você tem capaciade e disposição para tocar um novo negócio.

 

Se você bombar no Suitability do empreendedor, não tem problema absolutamente nenhum, isso que dizer apenas que uma empresa não é a melhor opção para seu perfil. Se fosse exigido um Suitability para o empreendedor, certamente as estatísticas de mortalidade das empresas seria muito diferente.

 

Abrir um negócio não é para qualquer pessoa, assim como ser funcionário de multinacional ou servidor público também não é. Existem diferentes perfis, cada um adequado a uma ou mais atividades. Pode não ser uma exigência legal, mas antes de ir adiante com sua iniciativa, seja sua franquia ou outra empresa qualquer, faça um Suitability do empreendor e descubra se este realmente é o melhor caminho para você.

FRANQUEADOR.COM
Luis R. van den Berg
Luis R. van den Berg Seguir

Gestor de Recursos na HashInvest, cetificado Anbima CGA, Administrador de Carteiras autorizado pela CVM.

Ler matéria completa
Indicados para você